REMOÇÃO DE TATUAGENS

32-tatuagem-borboleta-tatuagem-feminina

Em artigo escrito por Escrito por Sai Swaroop, líder de projetos de Produtos de Consumo da Kline e Elaine Gerchon, Gerente de Projetos da Factor-Kline. é evidenciado que fazer uma tatuagem deixou de ser compromisso para a vida toda, graças às novas técnicas de remoção disponíveis no mercado.

O que fazer quando aquela linda tatuagem está desbotada ou não mais nos agrada?

Sabemos da importância do laser nos tratamentos de rejuvenescimento da pele, reduzindo rugas e eliminando linhas, agora os avanços tecnológicos nesta área possibilitam também a remoção completa de tatuagens, através deste recurso, embora ainda seja um processo dolorido e caro.

Atualmente muitas empresas oferecem novas tecnologias a laser, que são consideradas mais eficazes, atuando tanto na remoção do pigmento como na cicatrização da pele. Os novos lasers, como o PicoSure (CynoSure), usam tecnologia fotomecânica, ou de ondas de pressão que “quebram” os pigmentos da tatuagem em partículas menores, e as removem de modo mais eficaz e em menor tempo, quando comparados com os lasers clássicos.

32-images-1

Estatísticas da ASAPS (Sociedade de Cirurgia Plástica Estética dos Estados Unidos) demonstram a crescente procura dos procedimentos profissionais de remoção de tatuagens nos Estados Unidos:

Em 2014 foram realizados 33.363 procedimentos, já em 2015  foram 46.514, um aumento de aproximadamente 40% em apenas 1 ano!

Mais de dois terços desses procedimentos foram realizados em mulheres, principalmente na faixa etária compreendida entre 19 e 34 anos.

MUDANÇA NO MERCADO DE TRABALHO PARA OS PROFISSIONAIS DE BELEZA

02 Modelo para Instagram

No dia 27 de outubro de 2016, foi sancionada pelo presidente da República, Michel Temer, a lei que define nova forma de remuneração para os profissionais da beleza – cabeleireiros, esteticistas, maquiadores, manicures, pedicuros, depiladores, barbeiros – dispondo sobre o contato de parceria entre eles e os salões.

A NOVA LEI DO “SALÃO-PARCEIRO”

Ela permite aos salões de beleza contratar sem carteira assinada, embora continue existindo também a opção pela CLT.

O profissional poderá trabalhar como autônomo, é o chamado profissional-parceiro, recebendo parte do valor cobrado pelo serviço prestado.

QUEM FIDELIZA É O PROFISSIONAL, NÃO O SALÃO!

E mais: o profissional não precisa manter exclusividade de trabalho em um único local, o que aumenta o seu leque de opções. A nova lei ajudará a regularizar o trabalho dos profissionais da área, que na sua maioria eram registrados por um valor mínimo e o pagamento dos serviços era “por fora”.

Com esta lei, o profissional passa a ser reconhecido de maneira clara e o seu trabalho formalizado. Os proprietários de salões terão maior tranquilidade e segurança para contratar, no que diz respeito às questões trabalhistas.

E COMO FICA A PREVIDÊNCIA

O regime de parceria garante que o profissional seja um assegurado da Previdência Social, mediante a obrigação do recolhimento de impostos e encargos.

Pela lei, ficará a cargo do salão parceiro reter e recolher os tributos e contribuições sociais e previdenciárias do profissional parceiro.

CADA UM PAGA A SUA PARTE

Evidenciando a parceria e justiça fiscal: o profissional recolhe tributos da parte que lhe cabe no faturamento dos serviços prestados, o mesmo ocorrendo para o dono do salão.

Esta mudança é o reconhecimento legal de um modelo de negócio que já era utilizado em salões, porém de forma irregular. A lei representa um avanço ao estabelecer direitos e obrigações de ambas as partes, incentiva o empreendedorismo e garante maior segurança jurídica para um setor que emprega mais de dois milhões de profissionais.

Os profissionais-parceiros poderão ser qualificados perante as autoridades fazendárias, como pequenos empresários, microempresários ou microempreendedores individuais.

É bom observar que o pessoal de suporte, recepcionistas, estoquistas, etc., não entram neste sistema, continuam contratados pela tradicional CLT.

IMPORTANTE

Deverá haver um contrato por escrito, que define o vínculo empregatício entre a pessoa jurídica do salão parceiro e o profissional parceiro.

Para ter validade, este contrato precisará ser homologado pelo Sindicato da categoria profissional, ou pelo órgão local do Ministério do Trabalho e Emprego.

COMO SURGIU ESTA LEI

A elaboração deste Projeto de Lei, PL 5230/2013, contou com a participação de diversas entidades: ABSB – Assoc. Bras. Dos Salões de Beleza, SEBRAE, ABHIPEC – Assoc.Bras.da Industria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, ABNT – Assoc. Bras.de Normas Técnicas, da Beauty Fair, Intercoiffure, HCF – Haute Coiffure Française, L’Oréal Profissional, Hair Brasil Profissional e Anabel. Contou também com a participação de tributaristas renomados.

QUAL A IMPORTÂNCIA DESTA LEI?

Idealizada pelo deputado federal Ricardo Izar, atendendo às necessidades dos profissionais e do mercado de beleza, que agora poderão optar pela melhor forma que lhes convier: contratação em carteira ou regime de parceria.

Os profissionais saem da informalidade, tornando claras as relações de trabalho e formas de remuneração entre profissionais e salões de beleza, definindo para ambas as partes os direitos e deveres, sem cobranças infundadas ou inseguranças.

MAIS OPORTUNIDADES DE TRABALHO E EMPREENDEDORISMO

Esta Lei aumenta as chances de abertura de novos salões e com isto surgem novas vagas para os profissionais.

A LEI SANCIONADA:

lei-n-13352-de-27-de-outubro-de-2016