“POLUIÇÃO OCULTA” EM COSMÉTICOS

Este tema “poluição oculta” em cosméticos é uma preocupação global, e recentemente, aqui no Brasil, foi desenvolvida uma plataforma tecnológica que possibilita uma alternativa de se utilizar uma nova classe de ingredientes que poderá substituir o que temos usado há décadas, e que contribui para esta poluição.

Uma avaliação simples aponta que nos últimos 20 anos nós já depositamos no meio ambiente mais de 200.000 (duzentas mil) TONELADAS de acrilatos – só por conta de cosméticos!!!

Como eles não são biodegradáveis, eles ainda estão por aí – e vão continuar pelos próximos 900 anos… Só que ninguém consegue VER isto (por isso a expressão poluição oculta). Ela é, de certa forma, mais insidiosa do que a visível, que nos choca e nos leva à reflexão sobre o estilo de vida que levamos e a necessidade de cuidar do nosso pobre planeta…

O pré-lançamento da plataforma foi na Europa, no ano passado, com excelente aceitação.  Agora será feito o lançamento na in-cosmetics em Londres, evento líder mundial de ingredientes para cosméticos (4 a 6 de Abril).

O crédito destas pesquisas são de um estudioso inspirador, Daniel Barreto, diretor da ASSESSA, uma empresa nacional, muito respeitada em todo o mundo, e que já exporta há muito tempo matérias primas inovadoras para as grandes marcas mundiais.

Estas novas matérias primas, de origem vegetal, de ação “anti poluição oculta” em cosméticos, têm o nome comercial de CARBOGREEN e consistem em uma combinação de polissacarídeos que se identificam com a pele e não poluem o meio ambiente.

Brevemente, para saber se o produto que você vai adquirir, já utiliza desta solução ecológica, no rótulo não deverá conter a palavra CARBOMER, e você poderá identificar, estes substitutos dos CARBÔMEROS, pelos INCI (nomenclatura de uso internacional para os ingredientes cosméticos):

Carbogreen E.A: INCI Name: Zea Mays (Corn) Starch (and) Cyamopsis Tetragonoloba (Guar) Gum (and) Sodium Carrageenan 

Carbogreen E.I: INCI Name: Oryza Sativa Rice Starch (and) Cyamopsis Tetragonoloba (Guar) Gum (and) Algin
Cerbogreen Q.BINCI Name: Zea Mays (Corn) Starch (and) Caesalpinia Spinosa Gum (and) Algin

PARA OS FORMULADORES:

  • Os CARBOGREENS não substituem os carbômeros no sentido estrito, não formam – por enquanto! – Aquele gel transparente e bonito, por não possuirem o mesmo comportamento reológico.
  • Os produtos com CARBOGREEN oferecem texturas suaves, formam cristais líquidos incríveis, dão um toque seco muito agradável na pele, e têm um excelente comportamento visco elástico, o que possibilita boa espalhabilidade e possibilidade de uso em diferentes tipos de packaging.
  • No caso de produtos para o cabelo, eles removem completamente aquele toque de “cera” que o álcool ceto proporciona – e aí não têm nada a ver com os carbômeros (que não estabilizam soluções de sais de amônio quaternário).

Mais informações técnicas:

contato@assessa.com.br

Autor: Maria Rita Resende

Graduada em física e química e pós-graduada em gestão da cosmetologia. Esteticista, cosmetóloga, fisioterapeuta, consultora e palestrante com artigos publicados no Brasil e no exterior. Pioneira no ensino da estética no Brasil e profissional de reconhecida experiência.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: